No mundo da educação, dois discursos coexistem e brigam entre si, mas para mim são igualmente verdadeiros. O primeiro: estamos criando nossos filhos com uma permissividade nociva, que vai se mostrar catastrófica no passar dos anos. O segundo: não podemos mais repetir o autoritarismo e a violência com que fomos tratados, porque isso vai gerar seres inseguros e despreparados para os desafios de um mundo em constante mutação.

Para a escritora, palestrante e educadora parental Elisama Santos, o único caminho para uma educação não violenta, que também ensine limites é o acolhimento das emoções, principalmente as nossas emoções. Elisama acredita que, quando não acolhemos o que sentimos, acabamos apelando para gritos, chantagens, ameaças, manipulações e por fim, violência física contra a criança, considerada crime no Brasil. Um tapinha na mão ou um aperto forte no braço, considerados medidas disciplinares legítimas há 20 ou 30 anos, hoje não cabem mais no repertório de uma educação respeitosa.

Elisama liderou o II Worshop de Educação Não Violenta, realizado na última semana, em São Paulo, na Casa de Viver e falou para pais e mães ávidos por uma nova orientação equilibrada em relação à disciplina, já que o modelo com que fomos educados não se sustenta mais.

Para resumir o conteúdo riquíssimo do Workshop, vou listar 10 das melhores dicas da Elisama para criar nossos filhos com limites firmes e gentis.

Continue reading “10 dicas para educar com amor e limites”